Entenda os benefícios da governança corporativa para seu negócio

0

A origem da governança corporativa se deu quando as organizações deixaram gradativamente de ser familiares e migraram para um modelo de participações acionárias ou de cotas, o que levou a uma separação cada vez mais acentuada entre quem detinha a propriedade das organizações e quem, de fato, fazia sua gestão.

Nesse contexto, diferentes interesses, muitas vezes conflitantes, entre sócios, acionistas majoritários e minoritários, gestores estratégicos e os próprios rumos adequados que a empresa deveria tomar, levaram ao desenvolvimento do conceito de governança corporativa.

Os benefícios da governança corporativa, quando corretamente empregada nas empresas, são inúmeros. É sobre isso que vamos tratar nesta postagem, além de diversos outros assuntos relacionados a este tema.

Os benefícios da governança corporativa e seus principais conceitos

Antes de tratarmos mais a fundo os benefícios da gestão corporativa, vamos entender melhor seus fundamentos:

  • O que é governança corporativa, afinal?

Segundo o IBGC, Instituto Brasileiro de Governança Corporativa:

“Governança corporativa é o sistema pelo qual as empresas e demais organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas”.

  • Os pilares e os princípios da governança corporativa

Os pilares da governança corporativa são os agentes e os procedimentos que devem sustentar suas boas práticas, sempre se baseando em seus 4 princípios.

Os 6 pilares da gestão corporativa são a Propriedade (representada pelos sócios), o Conselho de Administração, a Gestão, a Auditoria Independente, o Conselho Fiscal e, por fim, a Conduta e o Conflito de Interesses.

Veja os 4 princípios que devem nortear a ação dos pilares:

  1. Transparência:Mecanismos internos que devem garantir que os stakeholders – como a sociedade, o governo, parceiros, fornecedores, a comunidade, clientes e acionistas – estejam sempre muito bem informados sobre a tomada de decisão e os processos organizacionais.
  2. Equidade:Não importa o nível hierárquico, o grau de relação e influência sobre a empresa ou o nível de participação no capital, todos os agentes da organização devem ser tratados de forma igualitária.
  3. Prestação de contas (accountability):Todos os que detêm responsabilidades na empresa devem prestar as devidas contas de seus atos e decisões, tanto a nível financeiro quanto de desempenho de suas atividades.
  4. Responsabilidade corporativa:O lucro garante a longevidade do negócio, mas seu papel social, sua retribuição à comunidade e sua inserção em questões referentes a sustentabilidade do planeta também devem ser levadas em conta.

Confira esta ilustração que resume os conceitos apresentados acima:

Fonte: Nutriceler

  • Principais benefícios da governança corporativa

 Converter princípios, missões, valores e outros conceitos abstratos em ações concretas e efetivas.

 Alinhar os interesses de diversos stakeholders, como acionistas e executivos, para que se definam os melhores objetivos estratégicos para a organização.

 Descentralização da tomada das decisões estratégicas e mais transparência em sua motivação.

 Preservar o valor da organização em longo prazo, garantindo sua longevidade econômica de forma sustentável.

 Promover uma gestão organizacional de qualidade e que facilite o acesso aos recursos e as fontes de financiamento necessários para seu crescimento.

 Melhoria da imagem da empresa e valorização de sua marca.

 Em empresas familiares, promover a capacitação e a escolha de herdeiros e administradores adequados para o negócio.

Como você pode ver, os benefícios da governança corporativa são realmente importantes, mas como promover esta cultura na empresa?

  •  9 passos para fortalecer o compliance e a governança

Em um artigo publicado pela Harvard Business Review, foram definidos 9 passos para o fortalecimento da governança nas organizações:

  1. O tom que vem de cima:disseminando a cultura do compliance.
  2. Implemente a área:demonstre os benefícios e elimine os mitos para obter apoio.
  3. Forme o time:busque as pessoas certas e os recursos adequados.
  4. Mapeie e monitore:estabeleça metas de redução de riscos.
  5. Comunique e treine:promova a transparência.
  6. Dê voz a todos: garanta um canal de denúncias, investigue, resolva e reporte.
  7. Calibre as condutas:incentivos e sanções — os mecanismos-chave.
  8. Avalie e evolua:estabeleça critérios de métrica e promova melhorias no seu programa.
  9. Prove que você tem um programa:fórmula de sucesso e abrandamento de sanções.”

 

 

Facebook Comments

Deixe seu Comentário.